Saiba mais

Você já se perguntou por que procurar um psicólogo?

A Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO) define saúde como "um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade".

Um dos maiores fatores que podem comprometer o bem-estar integral é o sofrimento psíquico. Infelizmente, nenhum ser humano está livre de padecer em algum momento ao longo da vida.

Catástrofes naturais, adoecimento e perdas são circunstâncias que ressaltam a vulnerabilidade humana e tornam os humanos suscetíveis ao sofrimento.

A quantidade de pessoas que apresentam um transtorno mental, doenças altamente incapacitantes como depressão e ansiedade, cresce de forma alarmante em todo o mundo. Dentro deste contexto, o psicólogo pode ser um aliado importante tanto no sentido preventivo quanto interventivo.

O cuidado da mente, significado da palavra psicoterapia (PSYKH = alma, mente + THERAPEIA = cuidar, tratar) passou a ser uma das prioridades no cenário da saúde mundial para garantir a qualidade de vida da população.

O tratamento psicológico é indicado nos casos em que é identificado o esgotamento de recursos (emocional e físico) para enfrentar uma determinada situação, o preenchimento dos critérios diagnósticos para um ou mais (comorbidade) transtornos mentais e prejuízo funcional (queda de produtividade no trabalho ou rendimento escolar e comprometimento das relações interpessoais).

Resultados de inúmeros estudos científicos comparando indivíduos tratados e não tratados fornecem evidências convincentes da eficácia da psicoterapia na melhora do quadro clínico apresentado por pessoas nas mais variadas condições psicopatológicas.

Devido a associação demonstrada entre tratamento psicológico e plasticidade cerebral, a psicoterapia foi consagrada como uma intervenção terapêutica que se apoia em uma teoria, com um método investigatório e técnicas psicológicas, produzindo mudanças de comportamento sólidas e necessárias para auxiliar o restabelecimento e manutenção da saúde global.


Artigo publicado na Trials - Biomed Central (BMC)

O artigo sobre Avaliação da eficácia da estimulação transcraniana por corrente contínua no tratamento da sintomatologia cognitiva nos estágios iniciais da psicose, foi oficialmente publicado pelo Biomed Central (BMC). “Déficits cognitivos são sintomas centrais da esquizofrenia que ocorrem desde os primeiros estágios do transtorno. Há evidências confiáveis de que os déficits cognitivos estão associados aos desfechos na esquizofrenia; assim, o tratamento precoce pode ser particularmente importante. Estudos com diferentes técnicas de neuromodulação envolvendo indivíduos com esquizofrenia sugerem que a aplicação da estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) com estimulação inibitória sobre o córtex temporo-parietal esquerdo e estimulação excitatória sobre o córtex pré-frontal dorsolateral esquerdo poderia melhorar os sintomas positivos, negativos e cognitivos.” O objetivo do protocolo de estudo é a avaliação da eficácia da ETCC no tratamento da sintomatologia cognitiva nos estágios iniciais da psicose. Confira! https://trialsjournal.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13063-019-3288-5


Artigo publicado na NCBI

O artigo sobre “Correlatos neuropsicológicos da remissão em indivíduos com esquizofrenia crônica: o papel dos processos executivos gerais e específicos da tarefa”, foi publicado pelo National Center for Biotechnology Information (NBCI). “Embora os déficits cognitivos tenham sido consistentemente caracterizados como características centrais da esquizofrenia, eles não foram incorporados às definições de remissão. Além disso, apenas alguns estudos examinaram a relação entre déficits cognitivos e remissão sintomática. O principal objetivo do presente estudo é avaliar o funcionamento executivo de pacientes esquizofrênicos não remitidos.” O objetivo do protocolo de estudo é avaliar os componentes gerais do funcionamento executivo e tarefas individuais para explorar as três dimensões executivas específicas avaliadas no presente estudo, a saber, atualização, mudança e inibição. Confira! https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5506725/